16.4.12

Virou rotina.

Acordo. Mesmo antes de abrir os olhos, peço a Deus, a todos os deuses, a todas as forças superiores a mim, para que o mundo não me volte a cair em cima. E mesmo quando parece que já tudo foi deitado ao chão, eu continuo a pedi-lo. E, no momento em que, ainda no escuro, abro os olhos e meto os pés no chão, eu já o sinto a mover-se, pronto para cair de novo em cima de mim. Começa tudo muito devagar e vai acelerando até que, quando sinto que o terramoto parou, as minhas lágrimas caem. Caem sem aviso, sem som, sem dor. Fico dormente e só consigo pensar nessa tal dor que irei sentir quando a dormência desaparecer. E, quando ela desaparece, volta tudo ao mesmo.
Mas continuo a lutar para me manter de pé, no meio de tanta destruição.

1 comentário:

nicolemorais disse...

meu amor, eu estarei aqui sempre que o chão se mover, estarei numa ponta da sala a pisar cada tábua para que nada se parta e tu não caias. <3