21.1.12

Quando o horizonte fica negro.


Quero tirar todos os medos e paranóias da minha cabeça. Queria, nem que fosse apenas por míseros segundos, tirar tudo da minha cabeça. Mas é mais difícil do que parece. Não é fácil controlar tudo o que se passa dentro da minha cabeça. Oxalá fosse. Oxalá fosse tão fácil fazer como falar, como desejar.
Se fosse fácil, eu estaria no carro, a guiar em direcção ao horizonte, até o sol se pôr. Mas nem isso iria resultar porque, mesmo que eu tente fugir, os meus demónios apanham-me sempre.
Eu sou o meu maior inimigo, a minha maior barreira, e isso assusta-me.
Mas, quando o medo se for, ou, pelo menos, quando diminuir ao ponto de ser suportável e combatível, terei de aprender a construir pontes em vez de paredes.

1 comentário:

nicolemorais disse...

e essas pontes guiar-te-ão ao infinito <3